Relação com o mercado de trabalho

A atividade da Escola de Comércio de Lisboa ficaria muito aquém se não pudéssemos contar com o apoio de empresas, instituições e profissionais de todas as áreas do setor. As parcerias promovidas neste âmbito desenvolvem-se através das seguintes iniciativas:

• Fórum de Empresários. Grupo de cerca de 20 empresários provenientes dos mais diversos ramos do comércio e serviços, que tem como objetivos manter a Escola informada dos novos desafios que o setor enfrenta, acompanhar e avaliar as atividades desenvolvidas pela Escola e contribuir para a divulgação e afirmação da Escola no exterior.

Constituição: Ana Cristina Iglésias da Costa – ILC (Investigação); António Sampaio de Mattos – APCC (Institucional); Cristina Costa – Pop Attack (Agência de Comunicação para o Retalho); Fernando Ramirez – ÉVORACOR (Tintas); Gustavo Brito - PARIS SETE (Decoração); Isabel Quintino – QUIMAR (Madeiras); Jorge Aguiar – Mercedes Portugal (Automóveis); José Ferreira de Matos – INSTANTA (Fotografia); Lourenço Silveira – GCT (Alimentar); Maria João Bahia – MARIA JOÃO BAHIA (Design de Jóias); Pedro Guerra – CAETANO BAVIERA (Automóveis); Pedro Miguel Costa – LOJA DAS MEIAS (Vestuário); Pedro Feist – CONCENTRA (Brinquedos); Pedro Pulido Valente – HORTO DO CAMPO GRANDE / UACS (Jardinagem/ institucional); Ronald Brodheim - GRUPO BRODHEIM (Vestuário).


• Prémio Mercúrio. Plataforma de âmbito nacional que pretende valorizar as pessoas e as boas práticas no comércio e serviços, promovido pela Confederação do Comércio e Serviços e pela Escola de Comércio de Lisboa.

• Conferências semanais. Abordagem de diferentes temas que permitem a toda a comunidade educativa ter a noção de tendências e do que melhor se faz no mercado. Com esta iniciativa pretende-se dispor de informação atualizada acerca do setor e dos novos desafios, proporcionar aos alunos uma formação alargada, pertinente e útil ao desenvolvimento da sua carreira profissional e vivência em sociedade, divulgar empresas, instituições, marcas e profissionais de prestígio, fornecer aos parceiros profissionais qualificados e serviços especializados, bem como obter recursos acrescidos para o funcionamento da Escola e a melhoria contínua da sua qualidade.

 

• Lecionação de aulas. Empresários do setor do comércio e serviços são convidados a ministrar uma disciplina ou um módulo na sua área de atividade, promovendo uma maior aproximação entre o mercado de trabalho e a Escola de Comércio de Lisboa.



• Orientador Profissional
. Empresários que acompanham uma turma ao longo do ano e que encaminham e apoiam os alunos nas suas necessidades para ajudar a traçar o percurso profissional destes. A existência desta figura, habitualmente um empresário com significativa experiência profissional e maturidade pessoal, justifica-se pela necessidade contínua de reforçar a ligação da Escola ao meio empresarial do setor em que se insere, de forma a melhorar continuamente o Projeto Educativo. O Orientador Profissional de cada turma deve constituir-se como presença efetiva do mundo empresarial na Escola. Tem um caráter consultivo e contribui para que os alunos e os seus formadores tenham acesso constante a uma perspetiva externa ao mundo escolar como forma de enquadrar o seu posicionamento, os seus comportamentos e as suas aprendizagens.




• Projetos Interdisciplinares
. Desenvolvidos ao longo do curso, partindo de temáticas socioculturais para temáticas mais técnicas, muitas vezes propostas por empresas e outras organizações ligadas ao setor que mantêm relações de grande proximidade com a Escola, como por exemplo: a Câmara Municipal de Lisboa, a Junta de Freguesia de Santa Maria dos Olivais e a União das Associações de Comércio e Serviços – UACS.
Os Projetos desenvolvidos na Escola são apresentados ao público anualmente na Casa do Comércio – União das Associações de Comércio e Serviços.

 

• Formação em Contexto de Trabalho. Os objetivos da Formação em Contexto de Trabalho (FCT) são: contactar de perto com organizações empresariais estruturadas; pôr em prática conhecimentos adquiridos na Escola; desenvolver o sentido de responsabilidade e a atitude profissional; adquirir conhecimentos novos em resultado da experiência; e desenvolver o espírito empreendedor e o gosto pelo risco. Embora a matriz para os cursos profissionais determine 420h para a Formação em Contexto de Trabalho, a Escola de Comércio de Lisboa oferece mais 220h por considerar crucial este tipo de aprendizagem. Esta é levada a cabo em vários momentos ao longo dos cursos, sendo distribuída da seguinte forma: 1º e 2º anos, 6 semanas no final do ano letivo; no 3º ano, 4 semanas em janeiro e com forte ligação ao desenvolvimento do projeto que serve de suporte à Prova de Aptidão Profissional. No caso do 2º ano a FCT pode ser desenvolvida em Portugal ou num país da União Europeia (França, Reino Unido ou Espanha).

                                   

• Formação em Contexto de Trabalho em Países da União Europeia. A Escola de Comércio de Lisboa tem desenvolvido nos últimos 20 anos vários projetos de mobilidade, proporcionando, em parceria com diversas empresas e instituições nacionais e europeias, a mobilidade dos seus alunos. O projeto Sócrates, Comenius e Leonardo da Vinci (nomeadamente, na vertente de estágios curriculares na União Europeia ao abrigo do PROALV - Programa Aprendizagem ao Longo da Vida) são exemplos dos projetos de mobilidade em que a Escola de Comércio de Lisboa está ativamente envolvida. A larga experiência da Escola de Comércio de Lisboa no âmbito dos projetos de mobilidade foi reconhecida, pela segunda vez consecutiva, pela atribuição da Certificação em Mobilidade pela Agência Nacional do PROALV. Os projetos de mobilidade e, em particular, os estágios curriculares têm-se revelado de capital importância na aquisição e no aprofundamento por parte dos alunos de competências a nível sociocultural, linguístico, pessoal e profissional, que lhes permitam, no confronto com outras realidades, desenvolver ferramentas de competitividade, motivadoras do reconhecimento de uma verdadeira cidadania europeia e potenciadoras de uma real mobilidade profissional futura no espaço económico da União Europeia. No contexto atual de globalização e competitividade, estes os projetos de mobilidade visam munir os alunos de competências que, como profissionais do futuro, facilitem o seu percurso profissional, demonstrando que se encontram em igualdade de direitos com todos os outros cidadãos do espaço europeu. Nos nossos dias, não é suficiente que os jovens conheçam a realidade económica e setorial do seu país; é necessário integrá-los noutros contextos para que, no confronto com estes, cresçam sociocultural e profissionalmente. O envolvimento da Escola do Comércio de Lisboa nos projetos Leonardo da Vinci visa atingir os seguintes objetivos:

- Apoiar os alunos na realização de estágios profissionais noutros países da União Europeia e, desta forma, aperfeiçoar a aquisição e utilização de conhecimentos, competências e qualificações por forma a facilitar o desenvolvimento pessoal, a empregabilidade e a participação no mercado de trabalho europeu destes jovens.

- Apostar na contínua melhoria da qualidade e da inovação das práticas pedagógicas desenvolvidas pela Escola do Comércio de Lisboa, através de uma parceria permanente com diversas empresas no mercado europeu, as quais fazem chegar as características e necessidades emergentes das suas diferentes realidades e necessidades.

- Aumentar a atratividade da formação profissional, tornando estes projetos de mobilidade uma característica do 2º ano de formação dos cursos da Escola de Comércio de Lisboa;

- Contribuir para uma maior qualidade e transparência no que diz respeito ao reconhecimento de competências e qualificações, utilizando, entre outros, os documentos Europass disponibilizados.

A Escola de Comércio de Lisboa tem o privilégio de poder afirmar que estes objetivos têm sido atingidos com pleno sucesso, trabalhando sempre numa perspetiva de melhoria contínua, aperfeiçoando cada ano as parcerias já estabelecidas e alargando a sua ação a novas oportunidades, de forma a diversificar os destinos, dado o número considerável de alunos todos os anos, mas mantendo sempre a qualidade de acompanhamento desejável e à qual já está habituada. No âmbito dos projetos Leonardo da Vinci, os estágios curriculares têm-se realizado em diversos contextos geográficos e profissionais, tais como:

- França, nas cidades de Colmar e Estrasburgo, com a colaboração do parceiro intermediário SUPEUROPA;

- Espanha, na cidade de Barcelona, com a ajuda do parceiro MSBARCELONA;

- Reino Unido, na cidade de Cardiff, com o parceiro EUROPEAN TRAINING SERVICES.

Esta última parceria evoluiu, no sentido de ser a própria Escola de Comércio de Lisboa a assumira posição de entidade intermediária para Projetos Leonardo PMT (Pessoas no Mercado de Trabalho) realizados por este parceiro (ETS), o que significa que temos acolhido e encaminhado diversos estagiários licenciados do Reino Unido para empresas parceiras da Escola para a realização de estágios de cerca de dois meses e meio.

 


• Júri de Provas de Aptidão Profissional. No 3.º ano dos cursos profissionais, os alunos elaboram um Projeto de Suporte à Prova de Aptidão Profissional. Nesta prova, o aluno enquadra conhecimentos e competências adquiridos durante o seu período de formação profissional na Escola e na Empresa. A Prova de Aptidão Profissional (PAP) é apresentada em sessão pública a um júri composto por elementos da Escola, bem como representantes de entidades ligadas ao setor empresarial e ao sindicato afeto ao mesmo, constituindo-se como fortes momentos de aprendizagem.



• Aula Inaugural. Trata-se de um evento formal de abertura do ano letivo, no qual uma personalidade de créditos firmados faz uma comunicação a toda a comunidade escolar. Este momento assume o particular simbolismo de receber os novos alunos, bem como diplomar e premiar os que terminaram a sua formação no ano anterior.



• Prémios de Mérito. Em parceria com diferentes instituições / empresas são atribuídos prémios em várias categorias, sendo os mesmos entregues na Aula Inaugural do ano seguinte.

 

 (ver aqui)

• Empresas de Treino. Contam com o apoio de diversas instituições / empresas, a fim de potenciar o desenvolvimento de aprendizagens e experiências significativas.

 

               

(ver aqui)